OS TRABALHADORES DA SAÚDE PÚBLICA OU AFINS QUE QUISEREM COLABORAR COM POSTS PARA ESTE BLOG, PODEM ENVIAR OS TEXTOS QUE NÓS PUBLICAREMOS, COM NOME DO AUTOR OU ANONIMAMENTE



Seguidores

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Funcionários e pacientes denunciam sucateamento do Instituto Emílio Ribas


Os trabalhadores e usuários do Instituto Emílio Ribas realizaram um protesto contra a privatização do hospital (07/08/2012). Eles denunciaram o sucateamento do hospital e pediram o fim do convênio firmado em 2009 com a FFM (Fundação Faculdade de Medicina) que caracteriza a privatização. Os manifestantes não admitem que o Hospital Emílio Ribas, e a saúde sejam entregue a iniciativa privada. Defendem que os hospitais públicos devem atender apenas ao SUS. “O governo do Estado tem uma política de transferir a os hospitais públicos para gestão de organizações sociais, como as OS e OSCIPS e em alguns hospitais não aceitam essa mudança de gestão, então o que o governo do Estado e Prefeitura faz é cortar despesas e na verdade estrangular o funcionamento desses hospitais pra forçá-los a aceitar uma mudança de gestão e a sua transferência para esses grupos privados. Na prefeitura por exemplo, o hospital do Servidor Municipal vem sofrendo muito com a contenção de verbas e no complexo do Hospital das Clinicas onde o Emílio Ribas faz parte, só nos últimos dois meses foram feitos cortes de 30% do orçamento o que esta levando a suspensão de cirurgias eletivas adiamentos de consultas de milhares de pacientes. É uma situação muito grave”, afirmou Sérgio Cruz, médico da USP (Universidade de São Paulo). Heitor denunciou a prática de assédio moral com os funcionários públicos. “O que percebemos nos bastidores do Emílio Ribas é que a ideia é passar toda a administração para a FFM. O que, na verdade, é só uma forma de privatizar o mesmo instituto”, explicou. “O usuário infelizmente está morrendo na fila, o usuário é o maior prejudicado. É o que espera mais e não pode esperar. É aquele que procura um remédio e não encontra. Com saúde não se brinca, não se vende, não se compra, não se produz. Saúde se atende. E isso não é o que o governo do Estado está pensando hoje em dia”, destacou Rosymeire Silva, funcionária e delegada sindical do Emílio Ribas.
 FONTE: http://www.horadopovo.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Total de visualizações de página

FACEBOOK